• Ana Luiza de Figueiredo Souza

Prêmio Compós: o que é e qual sua importância?

Atualizado: 26 de dez. de 2021

Considerado o maior e mais relevante prêmio acadêmico do Brasil na área de Comunicação, o Prêmio Compós tem revelado importantes pesquisas (e pesquisadores) na última década. Conheça aqui um pouco mais sobre ele.



História


O prêmio foi criado em 2011 pela Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (Compós), que funciona com o apoio da Capes e do CNPq. Em 2015, teve o nome alterado para Prêmio Compós de Teses e Dissertações Eduardo Peñuela, em homenagem a um dos fundadores da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP. Tem o objetivo de reconhecer tanto o mérito científico de pesquisas acadêmicas quanto abordagens inovadoras no campo comunicacional.



Como funciona


A premiação ocorre anualmente e considera os trabalhos defendidos no ano anterior. Cada programa de Pós-Graduação em Comunicação filiado à Compós pode enviar apenas um representante para concorrer nas categorias Melhor Dissertação de Mestrado e Melhor Tese de Doutorado. No caso do PPGCOM da UFF — programa em que realizei o mestrado e, atualmente, realizo o doutorado —, os orientadores indicam os trabalhos dos orientandos que julgam responder ao grau de exigência do prêmio. Depois disso, uma comissão de docentes é formada para avaliar as indicações e eleger, entre elas, o representante de cada categoria.


Quanto mais bem avaliado o programa, mais dissertações e teses de peso são produzidas dentro dele, o que torna essa decisão difícil. Por isso, fiquei bem feliz ao receber o e-mail do coordenador do PPGCOM UFF informando que minha dissertação tinha sido escolhida para representá-lo. Aceitei a proposta, enviei a documentação necessária e a inscrição foi feita.



Processo de avaliação


As inscrições dos trabalhos concorrentes acontecem em março. Em 2020, foram 29 dissertações e 15 teses indicadas por programas de pós-graduação de todo o Brasil.


Para analisar os trabalhos, a Diretoria da Compós forma duas comissões julgadoras independentes, uma para dissertações e outra para teses. Cada comissão é composta por um membro da Diretoria da Compós, que faz a coordenação executiva dos trabalhos, sem direito a voto. Junto a ele, participam mais nove avaliadores, docentes de programas de pós-graduação filiados à Compós. Os membros das comissões avaliadoras pertencem a linhas de pesquisa diversas, o que garante equanimidade no processo de escolha. Em 2020, também foram considerados o gênero e a distribuição regional dos avaliadores.


A seleção é feita em duas rodadas. Primeiro, os membros da comissão lançam suas notas, de dez a zero, sendo assegurado o mínimo de três avaliações para cada trabalho. Os cinco trabalhos com melhor nota passam à segunda rodada. Nela, é proibida a participação de avaliadores pertencentes a programas de pós-graduação que tenham trabalhos entre os finalistas. Cada avaliador classifica os trabalhos do primeiro ao quinto lugar, com base em critérios como relevância e atualidade do tema, solidez do suporte teórico, rigor metodológico, qualidade redacional e originalidade da pesquisa.



Divulgação do resultado


O resultado é anunciado em junho, no site da Compós. Devido a problemas de conexão, fui descobrir que tinha sido a vencedora na categoria Melhor Dissertação de Mestrado por meio de amigos que já tinham visto o informe oficial. Só depois consegui acessar os e-mails da coordenação com o anúncio dos vencedores. Dobradinha do PPGCOM UFF, com Marcelo Alves vencendo na categoria Melhor Tese de Doutorado.


Foi daqueles momentos “alguém me belisque”. Dei meu máximo na (re)escrita da dissertação. Queria realizar uma pesquisa de qualidade, que pudesse acrescentar à área de Comunicação e discutir temáticas que eu considerava relevantes — justamente por serem relevantes para tantas mulheres —, mas que ainda eram pouco abordadas. Sabia da concorrência do Prêmio Compós, já estava feliz pela oportunidade de participar dele. Ter esse empenho reconhecido fez os dias de esforço na frente do computador valerem a pena.



O que significa?


Significa que a dissertação vencedora foi considerada a melhor produzida no Brasil no ano anterior ao da edição do prêmio. Ou seja, de todas as dissertações concluídas nos principais programas de pós-graduação em Comunicação do país em 2019, a minha foi considerada, pelo Prêmio Compós 2020, a de maior destaque. O mesmo vale para a tese de doutorado vencedora.


Cabe esclarecer, é claro, que isso não retira a qualidade nem a importância das demais pesquisas de mestrado e doutorado desenvolvidas no mesmo ano. A produção de conhecimento se faz em conjunto, buscando construir um país mais justo e funcional.


Esse é um dos motivos para acreditar nas possibilidades da pesquisa e da produção científica, mesmo em um momento em que vêm sendo tão atacadas. A Ciência é embebida de cotidiano, e traz contribuições para ele conforme o investiga e compreende.



----


Para conhecer mais sobre as pesquisas vencedoras e/ou as menções honrosas, acesse a cerimônia de premiação.


Acompanhe a transformação da pesquisa premiada na série Da dissertação ao livro, que integra o portal de conteúdo Nota de rodapé.


Assine a lista de espera para receber notificações dos artigos sobre o livro e ser avisada/o/e quando ele estiver disponível.

595 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo