• Ana Luiza de Figueiredo Souza

Projeto fantasma: o que é e como se proteger

Atualizado: 14 de jun. de 2021

Você já ouviu falar em projeto fantasma?


Não confunda com peça fantasma, comum em Publicidade e Propaganda, ou projeto fictício, usado em diferentes segmentos, entre eles, o de Produção Editorial.


O projeto fantasma é um golpe que acontece com frequência na indústria criativa, principalmente no meio audiovisual. Por ser uma área em que, assim como nas Artes Cênicas, muita coisa se resolve de maneira menos formal, com base na conversa, em locais que não sejam escritórios ou salas de reunião, acaba se tornando terreno proveitoso para esse tipo de armadilha.


Contudo, a prática pode ser reproduzida em outros campos, até mesmo no cenário acadêmico. Costuma ser aplicado por um homem contra mulheres ou contra outros homens, ainda que possam existir mulheres que o apliquem.


Ocorre da seguinte maneira: a pessoa que aplica o golpe encabeça um projeto que, na verdade, não existe. A proposta não configura um empreendimento a ser levado adiante. O golpista recruta para participarem do suposto projeto pessoas com as quais deseja ter outros tipos de interação, fora do âmbito profissional.


Exemplo 1


Um fotógrafo diz que deseja fazer um ensaio e, para isso, chama dez modelos. Eles marcam um lugar, batem as fotos, mas esse ensaio nunca aparece pronto nem se apresenta como produto final em nenhuma mídia.


Ao ligarem para o fotógrafo, as modelos descobrem que número dele está indisponível. Também foram bloqueadas de suas mídias sociais. Elas jamais conseguem recuperar aquelas fotos.



Exemplo 2


Um diretor de TV, teatro ou cinema usa um projeto fantasma como justificativa para levar os interessados para algum lugar (tomar um vinho no apartamento dele, irem juntos a alguma festa) e/ou conduzi-los até uma situação mais íntima, que fuja ao escopo profissional.



Exemplo 3


Um agente (também conhecido como caça-talentos) apresenta um projeto fantasma a alguns artistas. Para conferir quais deles estão aptos para o suposto trabalho, exige que se submetam a uma sequência de testes que envolvem exposição e/ou toques físicos — dos quais ele quase sempre participa.


Ao final do processo, nenhum deles é qualificado para o tal projeto e, da mesma forma que apareceu, o agente desaparece.



Exemplo 4


Um produtor chama alguém para conversar sobre a criação de uma suposta série. Marcam vários encontros para discutirem o projeto, mas nada se resolve.


Diante das reclamações, o produtor se justifica dizendo que não conseguiu levar o projeto adiante, que não teve apoio ou qualquer desculpa semelhante. No fundo, aquelas eram apenas tentativas de construir alguma intimidade com a pessoa interessada no projeto fantasma. Queria passar tempo com ela, nunca teve intenção de planejar série nenhuma.



O golpe dos projetos fantasmas resulta em vários casos de abuso sexual, roubo, estupro, embriaguez ou dopagem das vítimas para ter acesso às imagens, aos pertences e/ou ao corpo delas. Isso sem contar as ocasiões em que os profissionais acabam trabalhando de graça, em projetos que sequer existiam.



Como se proteger?


Depois de descobrir o que são projetos fantasmas, é normal que surja a pergunta: como posso me proteger deles? Como não cair nessa cilada?


Existem alguns passos que você pode tomar para isso.



Busque referências


Convenhamos que, geralmente, trabalhos ou vagas de emprego não caem no nosso colo sem mais nem menos.


Quem é essa pessoa que veio oferecer uma oportunidade profissional a você?


É alguém que você conhece?


Você conhece pessoas que a conheçam e/ou que já tenham trabalhado com ela? O que dizem sobre essa experiência?


É possível encontrar informações a respeito dela na internet ou nas mídias sociais?


Qual a trajetória profissional dessa pessoa?


Ela é funcionária de alguma empresa, associada a algum grupo, trabalha em parceria ou atua sozinha? Caso seja autônoma, sempre foi assim ou já trabalhou em equipe antes?


O gerenciamento dos projetos dela parece profissional? Possui site próprio? Nesse site, existem modos de comprovar sua produção (por exemplo, por meio de links para materiais que ela tenha produzido ou dos quais tenha participado)?



Confira por que a pessoa entrou em contato para oferecer aquela proposta


A pessoa se interessou de fato pelo seu trabalho? Ela conhece o seu trabalho?


As perguntas que ela faz se relacionam a qual poderia ser a sua atuação profissional no projeto?


Onde ela encontrou informações a seu respeito?


Caso tenha sido uma indicação, veio de quem? E essa pessoa que indicou você conhece o suficiente sobre o seu trabalho para ser capaz de indicá-lo para aquele projeto?


Você sabe que é um/a profissional dedicado/a e competente, mas o/a recrutador/a não tem como saber disso só pelo seu "belo sorriso" ou porque "teve uma boa intuição". Onde estão as provas de que aquela pessoa realmente tem motivos profissionais para convidar você para algum projeto?


Se ela passa mais tempo elogiando sua aparência do que o seu desempenho, desconfie.



Analise a proposta em si


É viável?


O projeto se sustenta ou parece vago, sem indicações de como concretizá-lo?


Faltam muitas informações na proposta?


Ela conversa realmente com o que você trabalha?


Existe algum tipo de planejamento ou plano de ações?


A parte financeira, tanto para realizar o projeto quanto para remunerar seu trabalho, é apresentada ou discutida?



Reavalie caso


Você note que precisa agir feito amigo/a da pessoa, acompanhá-la em eventos sociais ou fazer favores de cunho pessoal para se encaixar naquele projeto. Antes de tudo, é uma proposta profissional. Esse precisa ser o foco.


Você se sinta desconfortável com algum aspecto daquela relação. Ninguém é obrigado a trabalhar com aquilo que não concorda. Muito menos a conviver com uma pessoa que gere mal-estar.


Você perceba que a conversa ou as interações com a pessoa que oferece o projeto pareçam algo diferente de contato profissional.



Não tenha medo de


Cortar relações, denunciar a pessoa nem de alertar outros profissionais sobre ela. Errado é quem aplica golpe nos outros, não quem se defende deles.


Lembre-se: nenhum trabalho vale a sua dignidade. Se achou alguma coisa estranha, respeite seus limites.




Breve esclarecimento: Esse artigo foi produzido a partir de relatos de profissionais do meio audiovisual, que entraram em contato após a divulgação do resultado das enquetes realizadas no Mês das Mulheres.


-----

Gostou desse artigo? Acompanhe o Nota de rodapé para mais discussões.


Confira aqui o post sobre projetos fantasma em formato compacto.


Assine a newsletter e receba conteúdo exclusivo.

0 visualização0 comentário